Blog

image

Homens ou mulheres: quem é o melhor ouvinte no ambiente corporativo?

Eu gostaria de testar algumas suposições com você:

Primeiro, gostaria que você previsse as respostas às seguintes perguntas que a Zenger Folkman* pesquisou. Anote em um pedaço de papel suas respostas a estas perguntas:

Qual grupo geralmente é melhor em ouvir? Homens ou mulheres?

À medida que as pessoas passam dos vinte e poucos anos para os 60 anos de idade, elas se tornam melhores ou piores em ouvir?

Se você fosse classificar as habilidades de escuta por diferentes regiões geográficas, como classificaria as seguintes áreas em termos de habilidades de escuta: Ásia, Canadá, Europa, América do Sul e Estados Unidos?

Das muitas áreas funcionais de uma organização, qual delas incluiria os melhores ouvintes e que incluiria os ouvintes menos efetivos?

À medida que as pessoas são promovidas a cargos mais altos na hierarquia de uma empresa, elas se tornam melhores ou piores ouvintes?

 

Então, quem realmente é um melhor ouvinte?

Para coletar dados objetivos sobre essas questões, meu colega Joe Folkman e eu, Jack Zenger, criamos uma escala de escuta eficaz com oito itens. Os itens incluíram um par de opções alternativas, como as seguintes:

Em uma discussão cara-a-cara eu costumo:

  • Aproveitar o tempo para entender outras questões e preocupações. (84,2%)
  • Fornecer aos outros uma direção e propósito claros. (15,8%)

Para usar o tempo de treinamento de forma mais produtiva:

  • Eu tomo tempo para entender cuidadosamente a outra pessoa, para que eu possa ajudá-la a ter insights pessoais. (56,4%)
  • Traduzo minha experiência em conselhos práticos e lógicos que ajudam as pessoas a serem mais bem-sucedidas. (43,6%)

Administramos essa avaliação para 4.306 pessoas, incluindo entrevistados de todas as regiões do mundo. A porcentagem após cada declaração acima representa a porcentagem de pessoas que selecionaram essa declaração.

Nos exemplos acima, a primeira declaração representou a resposta de escuta efetiva. Depois de administrar essa avaliação, também aplicamos uma avaliação 360 que incluiu itens que medem a capacidade de ouvir como percebida por gerentes, colegas, subordinados diretos e outros associados a cada respondente.

Nosso estudo encontrou uma correlação estatisticamente significativa entre a escala de escuta efetiva breve baseada unicamente na autopercepção e os resultados 360 fornecidos por outros, validando as suposições dos pesquisadores de que as percepções do “eu” são válidas como um preditor do comportamento de escuta de uma pessoa. A escala fornece uma indicação da preferência de uma pessoa por ouvir também.

A escala da avaliação variou de -8 a +8 e produziu uma média estatística geral de 5,13, ​​o que sugere que, em geral, a maioria das pessoas nos negócios hoje são ouvintes razoavelmente bons. Houve, no entanto, diferenças significativas entre os vários grupos.

 

A relação entre a habilidade de ouvir e o gênero

Quando o estudo comparou homens a mulheres, as mulheres provaram ser ouvintes significativamente melhores, como mostrado no gráfico abaixo. Elas também demonstraram uma preferência significativamente mais forte por ouvir do que os homens.

 


 

A relação entre a capacidade de ouvir e a idade

Na amostra do estudo, à medida que as pessoas envelheceram, elas se tornaram mais interessadas e capazes de ouvir melhor. Note que as mulheres geralmente eram melhores em quase todas as idades.

 


 

A eficácia da escuta a partir da localização

 


 

Habilidade de escuta a partir da função

 

RH, Treinamento – 6,00

 

Segurança – 5,71

 

Gestão da Qualidade – 5,46

 

Fabricação – 5,16

 

Vendas – 5,12

 

Gestão Geral – 5,04

 

Desenvolvimento de Produto – 5,00

 

Tecnologia da Informação – 4,96

 

Atendimento ao Cliente – 4,91

 

Engenharia – 4,73

 

Pesquisa e Desenvolvimento – 4,64

 

Operações – 4,50

 

Marketing – 4,35

 

Administrativo – 4.28

 

Finanças e Contabilidade – 4,11

 

Legal – 3,79

 

Gestão de Instalações, Manutenção – 3,00

 

Habilidade de escuta por nível de gerenciamento

Ouvir é uma valiosa habilidade de liderança que pode fornecer uma visão aos outros e também influenciar os outros.

À medida que as equipes de desenvolvimento de liderança se reúnem com líderes, muitas vezes perguntam: “O que uma pessoa pode fazer para ser uma ouvinte muito melhor?”. E, em resposta, indivíduos ou grupos normalmente criam uma lista muito boa de técnicas.

Torna-se óbvio, rapidamente, que as pessoas sabem intelectualmente como ser melhores ouvintes.

Em seguida, quando perguntado, “Se as pessoas que te conhecem bem avaliassem sua eficácia auditiva, usando uma escala de 10 pontos, quantas de vocês receberiam uma nota 9 ou 10?”. Os entrevistados, de maneira bastante universal, deixarão suas mãos para baixo.

É claro que as pessoas sabem ouvir melhor; mas, a menos que sejam lembrados e motivados, eles simplesmente não fazem isso.

Se você acompanha o nosso blog, já deve ter lido sobre a importância de ser um bom ouvinte para o sucesso da carreira de um líder. Saber escutar ajuda a desenvolver competências fundamentais para a alta performance do gestor e do seu time.

Falando em competências, trazemos um e-book com 20 insights baseados em um estudo de nossa parceira Zenger Folkman sobre desenvolvimento de liderança, com o prefácio escrito por Alexia Franco, sócia-fundadora do Unique Group.

 


*Conteúdo desenvolvido por Jack Zenger para a sua página no LinkedIn.





Comentários

Deixe um comentário